China fala com Ucrânia, muda tom da diplomacia e promete esforços para fim da guerra

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, conversou por telefone com o chanceler da Ucrânia —a convite do ucraniano— nesta terça-feira (1º), no primeiro diálogo formal entre os dois países desde que a Rússia deu início à guerra na última semana.

O diálogo, de acordo com os relatos oficiais de ambas as diplomacias, sinaliza uma mudança de tom na abordagem chinesa ao conflito. Pequim é aliada de Moscou e, até agora, absteve-se de condenar a invasão nas reuniões do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

Na conversa de hoje, não houve qualquer crítica por parte de Wang à ofensiva militar da Rússia ou ao presidente Vladimir Putin. Mas o chinês expressou algum nível de solidariedade a seu homólogo em Kiev ao se dizer “extremamente preocupado com os danos aos civis” da Ucrânia.

Em comunicado, o governo ucraniano afirmou que o chanceler Dmitro Kuleba, por sua vez, pediu aos chineses que usem os laços com o governo russo para tentar acabar com a guerra. Kuleba teria recebido em resposta a promessa de que a China fará “todos os esforços” para resolver o conflito por meio da diplomacia.

Wang voltou a pedir por uma solução baseada no diálogo, dizendo que apoia os esforços internacionais para que possam alcançar uma resolução política, disse o Ministério das Relações Exteriores chinês em comunicado.

Isso ecoa a posição que, segundo Pequim, foi expressa pelo dirigente Xi Jinping em conversa com Putin na semana passada. O líder chinês teria dito que “apoia a Rússia e a Ucrânia para que elas resolvam os problemas por meio de negociações”.

De acordo com o comunicado da diplomacia chinesa, Kuleba repassou a Wang “os resultados da primeira rodada de negociações entre a Ucrânia e a Rússia”. Pode-se inferir, porém, que o ucraniano não teve muito a dizer nesse sentido. Representantes de Putin e de Volodimir Zelenski se reuniram na Belarus nesta segunda-feira (28), mas a mesa, que reuniu figuras importantes de ambos os países, terminou sem avanços. O único consenso foi sobre a necessidade de um segundo encontro, com data ainda a definir.

Em um afago a Pequim, Kuleba teria dito que “a China desempenhou um papel construtivo” a favor do objetivo de acabar com a guerra, descrito pelo chanceler como a principal prioridade da Ucrânia.

De Wang, Kuleba recebeu solidariedade. “A China está profundamente triste ao ver o conflito entre a Ucrânia e a Rússia e muito preocupada com os danos causados ​​aos civis”, disse o chinês, acrescentando que a posição de Pequim em relação ao conflito é “aberta, transparente e consistente”.

“Sempre defendemos o respeito pela soberania e integridade territorial de todos os países”, continuou Wang, emendando o ponto em que mais perto chegou de fazer alguma crítica à Rússia, embora não a tenha citado nominalmente. “A China sempre acreditou que a segurança de um país não deve ser alcançada às custas da segurança de outros países e que a segurança regional não pode ser alcançada pela expansão de blocos militares.”

Em janeiro, Xi Jinping celebrou 30 anos de laços com a Ucrânia, saudando o “aprofundamento da confiança política mútua” entre eles. Os dois países têm fortes laços econômicos e Kiev faz parte da Nova Rota da Seda, megaobra de infraestrutura que liga Oriente Médio, Ásia, África e Europa, atravessando áreas que eram de influência da ex-União Soviética.

Ao mesmo tempo em que acena à Ucrânia, Pequim tenta não melindrar Moscou. Quando as forças russas, sob ordens de Putin, invadiram a Ucrânia e deram início à mais grave crise de segurança no continente europeu desde a Segunda Guerra Mundial, a resposta formal da diplomacia chinesa foi de que a ofensiva não representava uma violação à soberania ou à integralidade do território ucraniano.

Em vez disso, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês descreveu o cenário —que o Ocidente já chamava de guerra— como resultado de uma “combinação de fatores”. Antes, a China já acusava os Estados Unidos de ser o responsável pela crise na Ucrânia. Para Pequim, Washington estava “aumentando as tensões, criando pânico e até aumentando a possibilidade de guerra”.

À medida que o Ocidente reagiu a ação de Putin, a China rechaçou as sanções econômicas impostas a Moscou. Aliás, as relações comerciais entre os dois países são uma das principais apostas da Rússia para reduzir o impacto das medidas de retaliação impostas pelo Ocidente.

Enquanto isso, a China começou a retirar seus cidadãos da Ucrânia. Segundo o Global Times, jornal ligado ao Partido Comunista Chinês, a primeira leva de chineses deslocados pelo conflito inclui 200 estudantes que vivem em Kiev e 400 em Odessa, no sul do país. Eles saíram em um ônibus escoltado em direção a Moldova.

Ainda de acordo com o jornal, outros mil chineses devem ser evacuados ainda nesta terça (1º) pelas fronteiras com a Eslováquia e a Polônia. Ao todo, 6.000 chineses se registraram na embaixada para serem retirados do país.

Fonte: (FOLHAPRESS)SP

%d blogueiros gostam disto: